6 motivos para o exercício não resultar

30

Mai

Daniela Monteiro

dieta vitalícia, exercício

Alerta – este post nada tem a ver com a onda de inscrições em ginásios e corridas às farmácias que marcam a aproximação do verão. Se começaram a fazer exercício há não mais de quatro meses, e desde o último verão que só correm para apanhar o autocarro, este post não é para vocês. Aqui pretendo apontar algumas das razões que podem levar a que todo o esforço que investimos nas nossas sessões de exercício não esteja a dar-nos as recompensas que esperávamos. É muito mais comum do que se pensa que o exercício pareça não fazer diferença, ou que chegue a um ponto em que aparentemente não conseguimos emagrecer/tonificar mais, e nessas alturas é difícil não perder o ânimo. Por isso, se estão nessa situação, vejam lá se alguma destas coisas pode ajudar Wink

Falta de variedade. Quando o nosso corpo/cérebro é confrontado com sequências de acontecimentos e reações semelhantes, torna-se mais eficiente ao identificá-las e lidar com elas, aperfeiçoando a tarefa associada. Por isso, sempre que apresentamos algo novo como dançar em vez de correr ou nadar em vez de andar de bicicleta, o processo de aperfeiçoamento vai gastar muito mais energia (e provavelmente trabalhar diferentes músculos) do que aquela atividade que já é muito mais fácil de realizar do que da primeira vez que a fizeram, como a vossa habitual corrida/caminhada de x minutos.

Ainda há mais para dar. Os estudos mais recentes mostram que, no que toca a gastar calorias, a intensidade vale mais do que a duração. Por isso, e ligando este ponto ao anterior, talvez seja boa ideia intercalar alguns minutos de alta intensidade, entre momentos mais prolongados da intensidade com que se sentem relativamente confortáveis. Isto vale principalmente para cardio, e funciona muito bem para quem quer começar a correr, mas sente que está em má forma.

Energia, calorias e os nutrientes. Sejam líquidas (sumos, bebidas alcoólicas) ou sólidas, há que ter cuidado com a energia que “ingerimos” e aquela que gastamos, dependendo do objetivo: perda ou ganho de peso, tecido muscular, etc. Pessoalmente, gosto mais de pensar em nutrientes, mas se o vosso objetivo é perder peso, para além de prezarem uma alimentação nutritiva, devem ter em atenção as calorias, de forma a não ingerir mais do que aquilo que gastam. Se não estão habituados a fazê-lo, aconselho que apontem num diário os alimentos e respetivas calorias que consomem durante cerca de um mês – é o tempo suficiente para ficarem com uma noção da energia em cada alimento/prato. Já agora, para esclarecer, quando falamos de energia e caloria(s), referimo-nos à mesma coisa.

Cansaço e stress. Já referi este aspeto antes no blog, num post semelhante a este, mas nunca é de mais relembrar. O nosso cérebro é a nossa arma mais poderosa, já que é ele que comanda tudo o que acontece no nosso corpo, incluindo a ação de hormonas associadas ao stress e falta de sono. Algumas dessas hormonas podem dificultar a perda de peso, nomeadamente, ao estimular a retenção de gordura. Para além disso, é durante o sono que as nossas células sofrem uma onda de renovação, essencial para quem pratica exercício, já que os músculos (entre outros) precisam de recuperar e evoluir.

Falta exercício no dia a dia. Com as nossas ocupações sedentárias, torna-se complicado ter um dia a dia minimamente ativo, mas não é impossível! Deixo-vos este post com algumas dicas para nos mexermos/exercitarmos no dia a dia, de forma a mantermos o nosso metabolismo alerta a toda a hora. Quando chegar a hora de fazer exercício, não vai custar tanto, e é claro que grão a grão… Wink

Demasiada exigência. Por fim, há que perguntar: será que não está, de facto, a resultar? Que somos bombardeados com imagens de perfeição a toda a hora já se sabe, mas não me parece motivo para perdermos a auto confiança ou não nos sentirmos bem, quando estamos em perfeitas condições de saúde e forma física! Aconselho-vos a não pensar demasiado na curva deste bícep ou daquele glúteo. Nascemos com este corpo, é o único que temos e, embora o exercício ajude a que funcione a 100% e tenha um aspeto que nos agrade mais ao espelho, é importante não esquecer que acima de tudo está a saúde, e que o exercício só o muda até certo ponto. O amor próprio e a confiança constroem-se, e são eles que mudam a nossa opinião sobre o nosso corpo Smile

Espero que o post vos seja muito útil! Acham que alguma destas coisas vos tem afetado o desempenho? Beijinho, dani

fonte: www.womenshealthmag.com

Deixe aqui o seu comentário!

Ana Luísa diz:

Gostei muito da publicação!!! Podiam voltar a publicar mais frequentemente este género de posts sobre vida saudável, como exercício físico e dicas sobre a alimentação… Smile

Daniela Monteiro diz:

Olá Ana! Tento publicar frequentemente, mas a verdade é que não há muitas leitoras interessadas nestes temas, por isso acabam por ficar em segundo planoThinking Beijinho!