Alimentação como fonte de energia

27

Ago

Daniela Monteiro

alimentação, saúde

Nos últimos anos houve muito falar sobre o que não devemos comer, e pouco sobre no que devemos apostar. Hoje, queria apenas chamar a atenção para uma das principais funções da comida: energética! Com tanto tempo passado em frente a ecrãs e em transportes, em combinação com todo o stress do dia e pouca atividade física, é de esperar que as queixas de fadiga e cansaço proliferem. O que podemos fazer para combater a falta de energia? Para além de toda a questão psicológica e emocional, aqui ficam algumas dicas!

As refeições devem ser frequentes e leves. Se o nosso corpo receber uma grande quantidade de comida de uma só vez, o organismo vai focar-se na digestão, levando a uma queda de energia, tão comum depois da hora do almoço. Para evitar isso, preparem snacks naturais e equilibrados em casa, que incluam proteína e pouco açúcar refinado (bolachas, barras super doces e chocolates são de evitar).

transferir

Prefiram produtos não processados. O processamento dos alimentos passa pela adição de açúcar e gorduras (que levam a picos e baixas de energia) e perda de vitaminais e minerais, pelo que quanto mais orgânicos, melhor. E muitas vezes não se trata de dizer orgânico na embalagem, mas sim de nem sequer estar embalado! Vegetais, fruta, iogurtes e frutos secos são sempre ótimas opções.

Evitem as calorias vazias. As “calorias”, como a maioria de nós as conhece, são um bicho de sete cabeças que a indústria dietética inventou para tornar os seus produtos mais atraentes. Pouco importa a quantidade de energia (calorias) presente nos alimentos; muito mais importante que isso, são os nutrientes! Uma refeição de 300kcal composta por uma taça de morangos, amoras, amêndoas e iogurte grego é completamente diferente de 300kcal de bolachas – tanto em quantidade, como em qualidade. Por isso, não olhem para as calorias, mas sim para o valor nutricional das vossas refeições. Aquela taça de coisinhas boas vai deixar-vos satisfeitos, confortáveis e sem fome durante umas horas, enquanto que as bolachas/barras/refrigerantes vos deixam sonolentos e, não tarda nada, novamente com fome.tumblr_njmtm9HmkX1tzwvuvo1_1280

O açúcar dá energia, ou não? O açúcar (glicose) que ingerimos é, de facto, utilizado em funções energéticas no nosso organismo, embora não seja o único. O problema não é o açúcar, que não tem culpa nenhuma na história, mas sim das quantidades exageradas que ingerimos, tanto nos tais alimentos processados, como nas refeições principais, sem sequer ter noção. Quanto ingerimos essas quantidades de açúcar, o nosso pâncreas liberta insulina, que leva à libertação de serotonina, e à sonolência. As fibras solúveis ajudam a controlar os níveis sanguíneos de insulina, e encontra-se, por exemplo, no abacate e na aveia. As versões integrais do arroz e massa contêm normalmente mais fibra, pelo que também serão uma melhor opção para o almoço.

Espero que tenha conseguido dar-vos umas luzes sobre a relação entre a nossa alimentação e os nossos níveis de energia ao longo do dia! Se tiverem alguma dúvida, deixem comentário Smile  Beijinho, dani

imagens: tumblr.com

Deixe aqui o seu comentário!