4 problemas da acne e como resolvê-los

29

Out

Daniela Monteiro

Sem categoria

Já não falava sobre acne há algum tempo por aqui. É um problema que afeta não só jovens, mas principalmente os adolescentes, e tem um forte impacto na auto confiança. Infelizmente, há muita informação errada pela internet! Quero aproveitar, então, para vos falar de uma maneira sintetizada das causas da acne e um pouco sobre como lidar com elas.

Hiperseborreia. Tal como o nome diz, é o aumento da atividade das glândulas sebáceas, associado a fatores hormonais (embora nem sempre). A glândula aumenta de tamanho, tal como a quantidade de sebo produzida, e muitas vezes o poro fica mais visível devido ao alargamento por grandes quantidades de sebo a serem excretadas.

Hiperqueratinização. É um palavrão que se traduz no espessamento da pele em volta do poro. Uma vez que o folículo aumentou no geral de tamanho, vai pressionar as zonas adjacentes e levar a esse espessamento.
nrm_1411995417-83663060_getty

Ora, reunimos as condições necessárias para a formação de comedões abertos e fechados, ou pontos negros e aquelas pequenas borbulhas sem vermelhidão. Neste caso, uma boa rotina de cuidado de pele costuma ser suficiente. A esfoliação e, se assim desejarem e for adequado/necessário ao vosso caso, o tratamento hormonal são bons aliados. Alguns ácidos e retinóides ajudam a tratar a hiperqueratinização, de forma a que outros ingredientes possam atuar e o poro fique novamente desobstruído. O tratamento hormonal ajuda a controlar a hiperseborreia.

Inflamação. A inflamação é, neste caso, associada à presença de bactérias. De facto, um poro fechado e obstruído é um ótimo ambiente para a proliferação bacteriana, neste caso a P. acnes. Não vou entrar em pormenores fisiológicos, mas é importante saber que, a partir desta fase, é ainda mais importante procurar ajuda, de forma a controlar a patologia e não deixar que evolua para um estado mais grave.tumblr_nwwvb71nGI1qa443qo1_1280

Tudo começa, sempre, por uma boa rotina! Por boa, entenda-se adequada ao tipo de pele. Mais uma vez, os ácidos e retinóides são a primeira linha de tratamento, pois retiram a primeira camada de “proteção” da lesão permitindo outros compostos chegarem ao local de ação. Se as lesões forem pústulas (ponta branca) e pápulas (vermelhas sem ponta branca), numa quantidade moderada, podem e devem aconselhar-se com num farmacêutico, que vos indicará o melhor tratamento, sendo possível que vos recomende uma consulta de dermatologia, caso a gravidade o justifique. A ida à farmácia é especialmente conveniente para os jovens, que o podem fazer sem os pais mais facilmente do que marcar uma consulta. Lembrem-se que os tratamentos não têm efeitos significativos imediatos, mas a persistência compensa!

Nódulos e quistos. Não são mais do que uma evolução da infeção bacteriana, levando a “bolsas” cada vez maiores e encapsuladas. Estas lesões deixam muitas vezes cicatrizes atróficas, aqueles “buracos” na pele do rosto, para as quais os tratamentos são bastante caros, para além de não serem definitivos. Normalmente o dermatologista opta por tratamentos sistémicos mais eficientes, como a isotretinoína, que tem vindo a reduzir o uso de antibióticos. Neste caso é realmente indispensável a ajuda de um dermatologista, de forma a tratar desde cedo e reduzir cicatrizes.

Pensei em fazer um post sobre mitos da acne, e para isso gostava que me deixassem as vossas dúvidas nos comentários! Perguntem o que quiserem, e esclarecerei o que souber Smile Beijinhos, dani

imagens: cosmopolitan.co.uk, tumblr.com

Deixe aqui o seu comentário!

Gaby diz:

Olá Daniela!
Ultimamente ando com um grande problema: muita oleosidade na pele do rosto. E quando eu digo muita, é mesmo muiiita!
Sempre tive tendência a ter pele oleosa, mas ultimamente tem sido por demais… Faço a minha limpeza demanha e, passado umas 2 ou 3 horas, a minha pele já está de novo oleosa! Não sei que fazer, isto é tão desconfortável, parece que tenho a pele sempre “suja” e pesada… Que produtos e cuidados recomendas? Tenho enorme dificuldade em encontrar os produtos adequados, até agora nenhum deles resultou, pois continuo a ter um excesso de oleosidade que me incomoda bastante. Se me poderes ajudar, agradecia imeeeeenso!

Já agora, continua com estes posts! Adoro!
Beijinho e obrigada!

Daniela Monteiro diz:

Olá Gaby! Aconselho-te a consultares um médico ou farmacêutico. É impossível analisar um caso sem um historial, e informações sobre idade, tratamentos hormonais, mudanças de estilo de vida e ambiente, rotina de higiene etc… Há muitos fatores a considerar! Beijinhos